Honda defende apoio aos híbridos porque elétricos não são suficientes

| NOTICIAS AUTOMOTIVAS


publicidade

A Honda defendeu apoio governamental aos híbridos através de uma nota enviada a uma plataforma digital chamada Conservation Home, que membros do governo britânico frequentemente acessam.

A mensagem é um pedido velado de ajuda para que outras formas de redução de CO2 sejam implementadas no país após 2035, dizendo a marca japonesa que os carros elétricos “não são a bala de prata”.

Focada, assim como outras japonesas, nos híbridos, a Honda apelou para que o Reino Unido reconsidere a decisão de proibir a venda de carros a combustão a partir de 2035, liberando apenas os elétricos.

O fabricante indicou que o país não tem infraestrutura para suportar a mudança e que existem regiões com menor acessibilidade ao carregamento. Além disso, indicou que a oferta global de cobalto é limitada e não sustentará a cadeia de suprimentos.

A Honda defende que haja uma abordagem mais ampla que centrar tudo apenas nos elétricos e que isso permitirá ao Reino Unido atingir o carbono zero em 2050.

Para a empresa, híbridos, híbridos plug-in e elétricos, assim como hidrogênio e uso de combustíveis descarbonizados contribuirão mais para a redução de CO2 do que apenas os movidos somente por eletricidade.

Outro ponto abordado foi a capacidade técnica das baterias de lítio atuais, que já teria alcançado o limite de eficiência e capacidade, uma vez que baterias maiores incorrerão em maior peso dos carros e custo, impondo penalidades. Aqui no Brasil, por exemplo, o peso é considerado na alíquota de IPI.

Falando de mercado, a restrição aos carros com combustíveis líquidos vai contra o princípio básico de livre escolha pessoal do cidadão, já que será imposto o carro elétrico aos compradores.

Para a Honda, o carro elétrico é um produto caro e apenas os mais ricos poderão dispor deles em suas garagens. A marca se apoia num estudo do Centro de Propulsão Avançada do Reino Unido, que diz que os carros elétricos não atingirão a paridade de preço com os movidos por gasolina em 2035.

A Honda conclui que, dessa forma, a mobilidade das pessoas que mais precisam será deixada de lado. Atualmente o modelo E é o único elétrico da marca na Europa, por conta do limite de CO2 em 2021, enquanto o Fit Hybrid é a única opção do monovolume na região.

Ele reduz a emissão em 30% e, segundo a marca, vai reduzir ainda mais com a evolução nos próximos anos. A Honda acredita que os motores a combustão continuarão firmes após 2035.

[Fonte: Autocar]


SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR!

Siga o Itapora news no Facebook

Entre em contato com o Itaporã News.

Para falar com a equipe do Itaporã News, encaminhar fotos, denúncias e sugestões, entre em contato pelo WhatsApp (67) 9 9641 8820.